000002-o-homem-como-ser-semiotico

O Homem como ser semiótico

Pessoal, este aqui será um texto um pouco mais filosófico, mas ainda assim, com um conceito bastante atual. Prometo que em um post futuro, tratarei sobre este mesmo assunto, mas com exemplos e aplicações ao Marketing Digital. Boa Leitura!

“A Semiótica é uma “ciência” nova, mas para um problema muito antigo”. Para Platão, já na antiga Grécia se tornava necessário a idealização de um objeto estável e imutável, mas que este não pudesse ser encontrado no mundo sensível, sendo apenas uma cópia imperfeita do objeto do mundo das idéias.

Afinal, o que é Semiótica?

A semiótica como a conhecemos hoje é qualquer signo que possa ser representado e interpretado, através de alguns dos nossos sentidos. Os signos representam algum objeto, mas que não são propriamente o objeto, sendo este uma cópia imperfeita do mesmo. Observa-se então, que é necessário uma decodificação por parte do receptor, no que diz respeito ao signo e que trás consigo a decodificação do objeto.

Segundo Charles Sanders Peirce (1839-1914), “um signo, ou representamen, é algo que, sob certo aspecto ou de algum modo, representa alguma coisa para alguém. Dirige-se a alguém, isto é, cria na mente dessa pessoa um signo equivalente ou talvez um signo melhor desenvolvido”.

Somos todos semioticistas por natureza, pois precisamos interpretar signos para podermos trabalhar, estudar, se divertir, etc. Em nosso dia a dia, necessitamos continuamente desta construção de conhecimento através das interpretações e análises, seja como emissores ou receptores da mensagem.

Vale ressaltar que como emissor, jamais teremos um bom signo sem sabermos quem é e qual o repertório de compreensão do nosso receptor.

Por exemplo, se estivermos desenvolvendo um produto para um determinado público, precisamos identificar suas “dores”, problemas e necessidades, afim de que seja possível construir uma persona deste público e assim, sejamos mais assertivos nas qualidades e soluções desse produto, no qual ainda não existe, mas que já imaginamos como solução, a partir das especificações e pesquisa de mercado.

Desta forma, podemos identificar o estudo da semiótica como uma poderosa ferramenta na construção de signos e interpretações, utilizadas cotidianamente por nós, emissores e receptores, dada seja qual for a mensagem.

Como mencionado no inicio do texto , trataremos sobre este assunto e posts futuros de forma mais aplicada, mas até lá, segue abaixo algumas dicas de livros e o link para download. Grande Abraço

FIDALGO, A; Semiótica: A Lógica da Comunicação: Universidade da Beira Interiore, 1998.

ABREU, A. S; A Arte de Argumentar: Ateliê Editorial.

SANTAELLA, Lucia; Estratégias Semióticas da Publicidade

Deixe uma resposta